Voltar

15 de Setembro 2020

Transporte de doentes oncológicos

Para reduzir o risco de transmissão da COVID-19, o IPO Lisboa definiu um conjunto de regras que devem ser garantidas no transporte não urgente de doentes do Instituto.

Uns vêm para consultas e exames, outros para tratamentos e internamentos. Todos os dias centenas de doentes chegam ao Instituto Português de Oncologia de Lisboa Francisco Gentil (IPO Lisboa) em veículos de transporte não urgente de doentes, que transportam várias pessoas e fazem vários percursos ao longo do dia.

Com a pandemia COVID-19 e com o objetivo de prevenir e reduzir o risco de contágio do vírus SARS-CoV-2 durante o transporte entre o domicílio e o Instituto e vice-versa, o IPO Lisboa sistematizou num documento – «Recomendações COVID-19: transporte de doentes oncológicos» – as medidas que devem ser garantidas pelos profissionais e agentes envolvidos no transporte não urgente de doentes e pelos próprios doentes, durante todo o trajeto.

Em caso de transporte múltiplo, o agente transportador deve reduzir a lotação máxima da viatura (por exemplo, numa viatura de nove lugares só devem ser transportados três doentes); utilizar barreiras físicas entre bancos ou deixar um banco de intervalo entre doentes; garantir a ventilação reforçada do veículo, incluindo a abertura dos vidros; fazer uma gestão e monitorização equilibrada dos agrupamentos e respeitar a hora de marcação do transporte e do ato clinico que o doente tem programado.

Além do cumprimento daquelas regras, doentes, acompanhantes e tripulantes devem cumprir escrupulosamente as medidas de precaução básicas de controlo de infeção, nomeadamente higienização das mãos, etiqueta respiratória, utilização de máscara cirúrgica, distanciamento social e desinfeção da viatura.

O cumprimento destas disposições, que foram enviadas aos agentes transportadores, é determinante para reduzir o risco de exposição e transmissão de doenças infetocontagiosas, nomeadamente COVID-19, aos doentes, aos profissionais e à comunidade em geral.

Desde o início da pandemia COVID-19 que o IPO Lisboa implementou um conjunto de medidas preventivas e de contenção da infeção pelo novo coronavírus que tem permitido garantir a prestação dos cuidados de saúde aos doentes oncológicos em condições de segurança e com o menor impacto possível no funcionamento do Instituto.

Leia o documento «Recomendações COVID-19: transporte de doentes oncológicos».

Utilizamos cookies para garantir que tem a melhor experiência no nosso site.

Se continuar a usar este site, assumiremos que está de acordo com a utilização de cookies