Voltar

14 de Novembro 2023

PT – CancerConnect. Investigadores querem criar plataforma de especialistas

Unir esforços para rentabilizar a capacidade de resposta médica pode beneficiar doentes e sistemas de saúde.

Como facilitar o encontro entre investigadores com vários interesses na oncologia/oncobiologia? Surge o PT – CancerConnect que quer ser uma base de dados nacional onde a multidisciplinaridade é o ponto forte.

A ideia foi apresentada por dois investigadores, Jacinta Serpa, da NOVA Medical School e IPO Lisboa, e João Conde, da NOVA Medical School em 2022 no ‘Stakeholders Group do National Cancer Hub’. Entre 30 propostas esta foi uma das duas eleitas pela Agência de Investigação Clínica e Inovação Biomédica (AICIB), pois vai ao encontro das metas do Programa Nacional para as Doenças Oncológicas (PNDO).

“O objetivo é criar uma base de dados de fácil acesso a investigadores das várias áreas com interesse na investigação em cancro. Esta necessidade surgiu da constatação de que por vezes é difícil levantar projetos pela falta de parceiros em áreas complementares”, explica Jacinta Serpa, investigadora da Unidade de Investigação em Patobiologia Molecular do IPO Lisboa, adiantando que estão a começar por uma plataforma nacional, que pode crescer internacionalmente.

Na sua opinião, a multidisciplinaridade é essencial para se avançar no conhecimento e na investigação em cancro, havendo necessidade de haver uma complementaridade funcional, que engloba profissionais – desde a prática clínica até aos mecanismos básicos de doença. “A melhor forma de estabelecermos parcerias, partilharmos interesses de investigação e contribuirmos para o sucesso e avanço no conhecimento, é darmo-nos a conhecer e sermos (re)conhecidos”, remata.

O financiamento desta plataforma está dependente da adesão. Assim, para que possa haver uma ideia do número de investigadores interessados em fazer parte deste grupo foi criado um link para o preenchimento do modelo de página pessoal de apresentação e divulgação do grupo e expertise de cada um.

A ideia é unir esforços para rentabilizar a capacidade de resposta médica pode beneficiar doentes e sistemas de saúde.