Voltar

03 de Janeiro 2022

Novo guia sobre a ferida maligna

​​​​​​​​​​​​Como cuidar da ferida maligna e fazer a diferença na qualidade de vida dos doentes oncológicos? Conheça este novo guia que aborda um tema complexo.​

Como cuidar da ferida maligna e fazer a diferença na qualidade de vida dos doentes? A cirurgiã Sara Carvalhal e a enfermeira Helena Vicente juntaram-se à Associação Portuguesa de Tratamento de Feridas, que publicou um novo guia sobre este tema complexo.

 

O que são as feridas malignas, como se desenvolvem, quais os sintomas, como fazer o penso, como se tratam? Pode encontrar a resposta a estas e outras questões no white paper “(Des)cobrir a Ferida Maligna” recentemente publicado pela Associação Portuguesa de Tratamento de Feridas (APTF).

 

Na elaboração do documento participaram duas profissionais do Instituto Português de Oncologia de Lisboa Francisco Gentil (IPO Lisboa), a cirurgiã Sara Carvalhal e a enfermeira Helena Vicente, ambas da Equipa Multidisciplinar de Estudo e Tratamento de Feridas (EMETF).

O white paper contou ainda com a colaboração de enfermeiros dos IPO’s do Porto e de Coimbra e outros elementos da APTF.

 

Segundo Helena Vicente, «a ferida maligna é uma entidade muito específica no universo das feridas complexas e a inexistência de um padrão, a escassa evidência científica e ausência de guidelines dificultam a intervenção dos enfermeiros, que se sentem inseguros e impotentes.»

 

Disponibilizar cuidados especializados para conforto e controlo efetivo dos sintomas da ferida maligna «exige competências comunicacionais, técnico-científicas e atitude terapêutica para uma tomada de decisão eficaz», acrescenta a coordenadora da EMETF.

 

O white paper “(Des)cobrir a Ferida Maligna” foi elaborado com base na mais recente literatura e na vasta prática clinica da equipa da EMETF.

Utilizamos cookies para garantir que tem a melhor experiência no nosso site.

Se continuar a usar este site, assumiremos que está de acordo com a utilização de cookies