Back

05 de Maio 2022

Lavar as mãos para salvar vidas

OMS assinala a 5 de maio o Dia Mundial da Higiene das Mãos. Campanha dirigida a profissionais e utentes dos estabelecimentos de saúde.

“Jutos pela segurança – Lave as suas mãos” é o lema adotado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) para o Dia Mundial de Higiene das Mãos, que se assinala este dia 5 de maio. Tal como nos anos anteriores, a campanha é dirigida aos profissionais e utentes dos estabelecimentos de saúde para aumentar a consciencialização da importância da higiene das mãos nos cuidados prestados.

Focada no objetivo de que “todos podemos contribuir para o clima ou cultura de segurança e qualidade de uma instituição através da higiene das nossas mãos”, a OMS sublinha que uma forte cultura de qualidade e segurança incentivará as pessoas a higienizar as mãos nos momentos certos e com os produtos certos.

“Todos os anos, as infeções associadas aos cuidados de saúde afetam centenas de milhões de doentes em todo o mundo; as pessoas morrem ou são consideravelmente afetadas por infeções graves adquiridas durante a prestação de cuidados de saúde, incluindo muitas infeções causadas por microrganismos resistentes a antibióticos. A maioria dessas infeções são evitáveis”, sublinha o médico Didier Pittet, chefe do serviço de prevenção e controle de infeções do Hospital Universitário e da Faculdade de Medicina de Genebra (Suíça).

O consultor da OMS acrescenta que “ao higienizar as mãos, os profissionais de saúde podem ajudar a prevenir tais infeções e contribuir para reduzir a carga de infeções a nível global.”

A importância desta medida tornou-se ainda mais evidente devido à pandemia por COVID-19, quando a lavagem das mãos se tornou numa das ações mais eficazes para a prevenção de contágios.

O Instituto Português de Oncologia de Lisboa Francisco Gentil (IPO Lisboa) associa-se à campanha, através do Grupo de Coordenação Local do Programa de Prevenção e Controlo de Infeções e de Resistência aos Antimicrobianos (GCL-PPCIRA). O grupo tem como missão prevenir e controlar a infeção hospitalar, promover a boa utilização de antibióticos, fazer formação a profissionais de saúde e divulgar informação a utentes e visitantes.