Back

11 de Agosto 2022

IPO Lisboa quer reforçar a acreditação

O Instituto será reavaliado no início de 2023 por organização europeia. Objetivo é obter a classificação de “Comprehensive Cancer Center”.

O Instituto Português de Oncologia de Lisboa Francisco Gentil (IPO Lisboa) foi acreditado em 2011 como “Clinical Cancer Center” pela Organisation of European Cancer Institutes (OECI). A acreditação foi renovada em 2018 e no próximo ano o Instituto voltará a ser avaliado pelos peritos europeus, sendo a classificação de “Comprehensive Cancer Center” o objetivo a atingir.

 

“Este é um programa exigente na melhoria contínua da organização e partilha do conhecimento entre centros europeus dedicados ao tratamento do cancro”, sublinha a médica Maria Olímpia Cid, coordenadora do grupo de trabalho para a acreditação da OECI.

 

A responsável adianta que “esta avaliação inclui a qualidade organizacional, multidisciplinariedade dos cuidados, prevenção e diagnóstico precoce, modalidades de diagnóstico e tratamento, investigação e inovação clínicas, formação e educação contínuas dos profissionais e envolvimento do doente em todo o percurso da sua doença”.

 

“Seria mais um motivo para celebrarmos o centenário da fundação do IPO Lisboa”, afirma, acrescentando que o grupo de trabalho “agradece e conta com a colaboração de todos nesta tarefa”. Recorde-se que o Instituto celebra a 29 de dezembro de 2023 o centenário da sua fundação.

Melhoria da qualidade

 

O IPO Lisboa, frisa a médica, “está acreditado por várias instituições nacionais e internacionais, tendo visto reforçada a sua avaliação, no final de 2021, pelo Departamento de Qualidade em Saúde da Direção-Geral da Saúde segundo o Modelo Nacional de Acreditação em Saúde da Agencia de Calidad Sanitaria de Andalucía (ACSA), quer globalmente, quer relativamente aos centros de referência”.

 

Ao longo da sua existência, o Instituto “tem mantido um empenhamento profundo na prestação de cuidados de saúde de excelência em oncologia, sendo um modelo de referência em várias áreas de patologia (tratamento do cancro do esófago, testículo, reto, sarcomas das partes moles e em oncologia pediátrica)”, refere Maria Olímpia Cid, destacando que “além da atividade clínica assistencial tem um papel relevante e reconhecido no ensino pré e pós-graduado e na investigação clínica em oncologia”.

 

A OECI é uma entidade independente que reúne mais de uma centena de institutos de cancro europeus e de outros continentes. Tem como missão a melhoria contínua da organização, a garantia das melhores práticas em termos diagnósticos e terapêuticos, a qualidade e segurança dos cuidados prestados aos doentes oncológicos e a promoção do acesso destes à informação.