Voltar

08 de Julho 2021

Estudo dá prémio ao oncologista Diogo Branco

Investigação sobre a agressividade dos cuidados prestados a doentes oncológicos em fim de vida dá prémio a Diogo Branco, médico oncologista formado no IPO Lisboa.

Diogo Branco, médico oncologista formado no Instituto Português de Oncologia de Lisboa Francisco Gentil (IPO Lisboa) e primeiro autor do trabalho sobre a agressividade dos cuidados médicos a doentes oncológicos em fim de vida (Factors associated with the aggressiveness of care at the end of life for patients with cancer dying in hospital: a nationwide retrospective cohort study in mainland Portugal) ganhou o III Prémio Professor Jorge da Silva Horta, atribuído pelo Conselho Regional do Sul da Ordem dos Médicos.

O estudo publicado em novembro de 2020 na revista científica ESMO OPEN, da Sociedade Europeia de Oncologia Médica, contou ainda com a participação de João Freire, que foi diretor clínico do IPO Lisboa, e de Madalena Feio, coordenadora da Equipa Intra-Hospitalar de Suporte em Cuidados Paliativos, também do IPO Lisboa. O projeto integrou outros investigadores e médicos dos IPO´s de Coimbra e do Porto, da Escola Nacional de Saúde Pública, do Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto e da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra.

Esta análise retrospetiva envolveu mais de 92 mil doentes oncológicos falecidos em hospitais de Portugal continental e confirmou que a prestação de cuidados agressivos em fim de vida é muito comum: 7 em cada 10 doentes que morreram num hospital, entre 2010 e 2015, foram expostos a cuidados considerados agressivos, incluindo cirurgia e outros tratamentos invasivos e internamentos hospitalares superiores a 14 dias.

Atualmente, Diogo Branco é bolseiro no Institut Jules Bordet, em Bruxelas, na Bélgica.

 

 

 

Utilizamos cookies para garantir que tem a melhor experiência no nosso site.

Se continuar a usar este site, assumiremos que está de acordo com a utilização de cookies