Voltar

08 de Janeiro 2024

Cinema juntou utentes, amigos e profissionais do IPO Lisboa

Três dias, seis sessões, um debate: um fim de semana onde se cruzaram histórias de doença e esperança e experiências pessoais de utentes e trabalhadores do Instituto.

A Mostra de Cinema IPO Lisboa 100 Anos atraiu este fim de semana ao Cinema São Jorge muitos utentes, familiares, amigos e profissionais do Instituto para três dias de filmes e convívio. Organização conjunta com o IndieLisboa, a programação juntou histórias que cruzam a doença e a esperança “numa combinação muito interessante da oncologia com o cinema onde cabem outras vidas e histórias de superação”, como salientou a Presidente do Conselho de Administração do IPO Lisboa, Eva Falcão, na sessão de abertura.

 

No arranque, a curta-metragem de António Lopes Ribeiro, ‘A Luta contra o Cancro em Portugal’ recuou às origens do IPO, mostrando imagens dos primeiros edifícios e dos primórdios da atividade do Instituto.

 

Na “originalidade de um evento diferente”, como destacou o coorganizador Miguel Valverde, do IndieLisboa, as sessões tiveram ainda a participação e envolvimento de profissionais de saúde do IPO e a primeira noite fez-se da exibição de ‘La Guerre est Declarée’, de Valérie Donzelli, e de ‘Love Story’, de Arthur Miller, filmes apresentados por Ana Lacerda, Diretora do Serviço de Pediatria, e por Maria Gomes da Silva , Hematologista do IPO, respetivamente.

Debate e memórias revividas em filme

Já no segundo dia, ‘Norte Corps’, de Claire Simon, documentário apresentado por Ana Sofia Simões, enfermeira coordenadora da Unidade de Apoio Domiciliário do IPO Lisboa, deu o mote para um debate moderado por Joana Cruz, radialista, com Paula Chaves, voluntária na Liga Portuguesa Contra o Cancro, Nuno Artur Silva, ex-secretário de Estado da Cultura e fundador das Produções Fictícias, e Rui Miguel Ribeiro, poeta.

 

Experiências pessoais e memórias das emoções sentidas e revividas através do filme foram partilhadas com algum humor e honestidade com a plateia no final de tarde de sábado.

 

À noite, ‘Caro Diario’, de Nanni Moretti, inverteu uma história em três episódios com uma “imaginação imbatível”, como salientou o oncologista João Oliveira, que apresentou a sessão que encerrou o segundo dia de Mostra.

Domingo, último dia desta iniciativa que celebra o centenário da instituição, tempo para os filmes ‘The Farewell’, de Lulu Wang, e o premiado ‘A Metamorfose dos Pássaros’, de Catarina Vasconcelos. Nas respetivas apresentações, Fernando Leal da Costa, Diretor do Departamento de Hematologia, e Maria de Jesus Moura, Diretora da Unidade de Psicologia do IPO Lisboa, destacaram o caráter “didático” dos filmes, a importância de “nos obrigarem a pensar” e o lado “gratificante” de se trabalhar no IPO, um local repleto de “histórias de Humanismo”.

 

A última sessão contou ainda com a presença de Catarina Vasconcelos, realizadora do filme,
e Pedro Fernandes Duarte, produtor.

 

A Mostra de Cinema IPO Lisboa 100 Anos inseriu-se no âmbito das comemorações do centenário do Instituto, efeméride q se assinalou a 29 de dezembro último.