Voltar

19 de Junho 2020

Atualização do rastreio à COVID-19 no IPO Lisboa

Na sequência do rastreio em curso, foram identificados mais 10 casos de COVID-19 no Serviço de Hematologia do IPO Lisboa. No total, há 13 profissionais e 17 doentes infetados.

Desde o início da pandemia COVID-19 que o Instituto Português de Oncologia de Lisboa Francisco Gentil (IPO Lisboa) instituiu um conjunto de medidas preventivas da infeção, incluindo a realização sistemática de testes de diagnóstico aos doentes que iniciam tratamentos de quimioterapia e de radioterapia, que vão realizar cirurgia ou exames médicos invasivos e a todos os que necessitam de internamento ou apresentam sintomas suspeitos.

Simultaneamente, implementou um programa de rastreio a todos os profissionais e prestadores de serviço externos.

Após a identificação, no início da semana, de 12 doentes e oito profissionais infetados com COVID-19 no Serviço de Hematologia, o Instituto acionou as medidas de contenção previstas no seu Plano de Contingência, rastreou todos os profissionais do Serviço e todos os doentes internados e reforçou as medidas de higiene e segurança.

Simultaneamente, iniciaram-se contactos com todos os doentes de hematologia que se encontram em ambulatório e que tiveram consulta ou tratamento no IPO recentemente para realização de testes.

Nas últimas 48 horas, e na sequência do rastreio em curso, confirmou-se a presença de infeção em mais cinco profissionais (três enfermeiros e dois assistentes operacionais) e em cinco doentes do internamento.

No total, no Serviço de Hematologia foram até ao momento identificados 13 profissionais e 17 doentes com COVID-19.

Os doentes internados e com infeção foram transferidos para outros hospitais do Serviço Nacional de Saúde, onde estão a ser acompanhados por equipas especializadas, em estreita articulação com o Serviço de Hematologia do IPO Lisboa. Os doentes com resultados negativos permanecem internados no Instituto, onde têm acesso aos cuidados de que necessitam, com todas as condições de segurança.

De entre os dez doentes transferidos para outras unidades de saúde, a maioria permanece estável. Há a lamentar o falecimento de um doente que apresentava doença avançada e múltiplas complicações prévias. Um outro doente, que tinha sido diagnosticado com pneumonia, foi transferido para unidade de cuidados intensivos, para maior vigilância, atendendo à avaliação clínica.

O IPO Lisboa tem estado a acompanhar todas as situações clínicas dos doentes transferidos e em ambulatório, de forma a garantir a continuidade dos cuidados necessários.

Até à data de hoje e desde o início da pandemia, o IPO Lisboa regista 88 casos de infeção – 40 profissionais, 33 doentes e 15 prestadores externos.

O hospital implementa todos os procedimentos de segurança e reforça a importância de os doentes manterem as consultas e os tratamentos agendados.

Utilizamos cookies para garantir que tem a melhor experiência no nosso site.

Se continuar a usar este site, assumiremos que está de acordo com a utilização de cookies