Voltar

Pediatria

Dra. Filomena Pereira

Diretora

Elisabete Caldeira

Enfermeira Coordenadora

Internamento

Pavilhão Central, piso 7

Consulta

Pavilhão Rádio, piso 1

Hospital de Dia

Pavilhão Rádio, piso 1

Sala de espera do ambulatório

Pavilhão Lions

ipo-Pediatria-1200x559

Criado em 1960, somos o maior e o mais antigo serviço de oncologia pediátrica do país e uma das unidades de oncologia pediátrica multidisciplinares mais antiga do mundo.

 

Somos Centro de Referência Nacional para o cancro pediátrico. Recebemos crianças e adolescentes com cancro das regiões de Lisboa e Vale do Tejo, Ribatejo, Alentejo, Algarve, Açores, Madeira e dos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa.

 

Por ano, recebemos uma média de 180 novos casos de cancro em idade pediátrica e mantemos em tratamento, em simultâneo, mais de 400 crianças.

 

As leucemias e os tumores do sistema nervoso central são as doenças mais frequentes na criança e representam, no seu conjunto, cerca de metade dos casos recebidos no Serviço.

 

Os doentes são acompanhados em internamento, consulta e hospital de dia.

Sala de Espera

A sala de espera do Serviço é o Pavilhão Lions, junto ao parque infantil, onde decorrem múltiplas atividades lúdicas durante os tempos de espera.

Internamento

Temos capacidade para 23 crianças ou adolescentes e registamos uma média de 890 internamentos por ano.
Os doentes podem e devem estar acompanhados pela mãe, pai ou outro familiar durante 24 horas. Os acompanhantes dispõem de um sofá-cama ou cadeirão reclinável para descanso noturno. A alimentação da criança internada é fornecida pelo hospital e o acompanhante poderá tomar as três refeições do dia no refeitório do Instituto (é fornecida uma senha de refeição). O lanche é distribuído pelo serviço de voluntariado da Liga Portuguesa Contra o Cancro.
No internamento, a criança pode estar acompanhada por ambos os pais entre as 9h00 e as 21h00. Fora deste horário, só é permitida a presença de um dos progenitores.
Os familiares e amigos deverão fazer as visitas entre as 12h00 e as 20h00, numa sala reservada para o efeito. Não é permitida a sua presença nos quartos ou na sala de recreio. Também não é permitida a entrada de visitantes com menos de 15 anos, exceto irmãos e com a garantia de que não estão doentes.
As crianças podem ver televisão na sala de recreio e nos quartos (até às 22h00) e podem usar as suas roupas e os seus brinquedos enquanto estão internadas no serviço.

Brincar no hospital

Brincar no hospital facilita a adaptação e a integração das crianças a esta realidade, reduz a ansiedade e facilita as intervenções clínicas e de enfermagem que a doença exige. Hoje, esta é uma ideia consensual, mas o IPO foi pioneiro, quando, em 1960, abriu o Serviço de Pediatria e reconheceu a importância das atividades lúdicas como forma de humanizar o serviço, estabelecendo um espaço de recreio com a presença de educadoras de infância.
Atualmente, o Serviço conta com o trabalho de três educadoras que intervêm nos três espaços da Pediatria – internamento, hospital de dia e Pavilhão Lions (sala de espera e de recreio).
As salas são geridas pelas educadoras e estão organizadas para poderem ser usadas autonomamente pelas crianças e famílias, que têm à disposição jogos, material de expressão plástica, espaços de faz-de-conta (casinha das bonecas, fantoches, consultório médico, etc.).
As educadoras – e outros colaboradores, alguns com presença regular – também desenvolvem atividades mais dirigidas, como ateliers de expressão plástica, musical e teatro, nas quais as crianças podem participar, se tiverem vontade e os tratamentos permitirem.
As actividades são adaptadas à idade e ao nível de desenvolvimento de cada criança.

Hospital de Dia Pediátrico

É no Hospital de Dia que são recebidos e avaliados os doentes referenciados que chegam de novo ao Serviço. Também é neste espaço que as crianças em tratamento ambulatório fazem pensos, análises, exames e quimioterapia (mais de 10 mil intervenções por ano).
Podem estar acompanhadas pelos pais, mas na sala de tratamentos só é permitida a presença de um acompanhante para garantir a sua funcionalidade.

Consulta

Fazemos mais 9.500 consultas por ano. É na consulta que fazemos o seguimento clínico e o plano terapêutico dos doentes em ambulatório e asseguramos a vigilância após o final do tratamento até à transição para a consulta dos Duros.
A consulta dos Duros (Doentes que Ultrapassaram a Realidade Oncológica com Sucesso) é realizada por médicos do Serviço de Pediatria, que fazem a vigilância dos doentes que terminaram o tratamento há mais de cinco anos, de acordo com um plano individual de seguimento, que depende da doença e do tratamento realizado.
Sabe-se que a vigilância dos sobreviventes a longo prazo permite melhorar a sua qualidade de vida. Também se sabe que permite melhorar a forma como são tratadas, atualmente, as crianças com cancro, pois o conhecimento da frequência e gravidade dos efeitos secundários tardios leva a uma melhor adequação das terapêuticas.
A consulta de Neurologia faz o plano terapêutico e o seguimento das crianças e adolescentes com tumores de sistema nervoso central (cerca de 1200 consultas por ano).

Escola no hospital

A escola do IPO de Lisboa abriu no ano lectivo 1999/2000 e funciona no espaço do internamento.
Tem três professoras que trabalham com as crianças e os jovens durante os períodos de internamento, mas também em dias de consulta e tratamentos, sempre em articulação com a escola de origem dos alunos.
O cancro infantil altera profundamente o quotidiano e as rotinas das crianças, jovens e famílias. Ainda assim, muitas conseguem manter um percurso escolar regular, outras precisam de medidas de apoio muito específicas.
Na escola do IPO é possível ter aulas, aprender diferentes matérias, fazer revisões, testes e até exames nacionais.

Voluntariado

A Acreditar e a Liga Portuguesa Contra o Cancro facultam apoios específicos às famílias e aos doentes ao longo de todo o percurso da doença. Também promovem e participam em actividades que amenizam a vida das crianças e das famílias durante o internamento e nos períodos de tratamento.
A Operação Nariz Vermelho (Doutores Palhaços) e a Música nos Hospitais têm uma presença regular e relevante no Serviço de Pediatria, que muito contribui para o bem-estar dur

Utilizamos cookies para garantir que tem a melhor experiência no nosso site.

Se continuar a usar este site, assumiremos que está de acordo com a utilização de cookies